Você está entrando no universo do babywearing! Aqui começa uma nova página da sua história com o seu bebê. 19 - 99294.2231 ou 19 - 99982.1679

É muito animador quando encontramos novos estudos relacionados ao babywearing, não é mesmo? 

Em 30 de junho de 2021 foi publicado mais um estudo de babywearing, desta vez relacionando o uso de carregadores a amamentação por mais tempo: 

An Infant Carrier Intervention and Breastfeeding Duration: A Randomized Controlled Trial” (Little EE, et al. Pediatrics. June 30, 2021, https://doi.org/10.1542/peds.2020-049717).

Como encontramos a novidade no site da APP News em inglês, trouxemos o texto aqui para vocês traduzido para o português. No final da página você poderá encontrar a fonte com o seu respectivo link.

 

Estudo: uso de carregadores de bebê vinculado a amamentação mais longa

O uso de um porta bebê pode ajudar a melhorar o tempo que as mulheres amamentam seus bebês, de acordo com um novo estudo.
A amamentação tem sido associada a benefícios para a saúde das mulheres e crianças. A AAP recomenda o aleitamento materno exclusivo por seis meses e a continuidade da amamentação com alimentos complementares até que a criança tenha pelo menos 1 ano. No entanto, muitas famílias não atendem a essas recomendações.
Estudos descobriram que o contato pele a pele com um bebê imediatamente após o nascimento aumenta as taxas de amamentação, então os pesquisadores procuraram testar se os porta bebês poderiam ter um impacto semelhante. Eles estudaram 100 mulheres grávidas de baixa renda na Califórnia, a maioria das quais eram Latinx, entre fevereiro de 2018 e junho de 2019. Eles publicaram as descobertas hoje em "An Infant Carrier Intervention and Breastfeeding Duration: A Randomized Controlled Trial" (Little EE, et al . Pediatrics. 30 de junho de 2021, https://doi.org/10.1542/peds.2020-049717).
Na 30ª semana de gestação, metade das mulheres foram aleatoriamente designadas  para receber um porta bebê ergonômico, e a outra metade foi designada para um grupo de controle. Ambos os grupos tinham demografia e intenções semelhantes de amamentar. Durante um período de seis meses os grupos foram pesquisados sobre a amamentação e o uso do carregador. 
Não houve diferenças significativas nas taxas de amamentação em seis semanas ou três meses após o parto. No entanto, aos seis meses, 68% do grupo com carregadores de bebês estava alimentando seu filho com leite materno diretamente ou expresso em comparação com 40% do grupo de controle. Nesta fase, o grupo de intervenção estava usando os carregadores em média pouco menos de duas horas por dia.
 
“Mais tempo em proximidade física com os bebês pode facilitar a capacidade de resposta aos primeiros sinais de fome dos bebês”, escreveram os autores. “... O aumento do contato físico também pode impactar indiretamente a amamentação por facilitar o vínculo.”
 
As descobertas confirmam as de um estudo semelhante com mulheres italianas publicado em 2012. Os autores pediram estudos adicionais para examinar populações maiores e mais diversas, incluindo comunidades negras e indígenas.